ian-vaz

 

Biografia Ian Vaz

 

Muito sortudo por ter nascido em uma familia e cidade que amo tanto.

Nasci em 1995, no Rio de Janeiro. Desde sempre, fui influenciado a surfar pelo meu pai e pelo meu irmão, Caio. Quando comecei a surfar, de boia ainda, ele já vinha na onda lá de fora. Na verdade isso é o que me contam, o que está registrado nas fotos, porque eu não lembro de nada dessa época.

Depois de aprender a nadar e largar as boias de braço, continuei a gostar de surfar. Aos 8 anos, viajava muito para Iriri no Espírito Santo com a família. Lá não tem muitas ondas, mas surfávamos nas micro marolas da Praia dos Namorados, que naquela época eram as melhores ondas do mundo para mim! Acho que eu morria de medo do mar ainda, mas as ondinhas eram tão pequenas que não precisava nem furar. Nessa época já participava de alguns campeonatos de pranchinha na categoria Pre-Petit, para surfistas de até 8 anos. Eu gostava de competir, mas as baterias só duravam 15 minutos e, geralmente, eu perdia nas primeiras…

Apesar das derrotas que desanimavam, continuei correndo todas as etapas do Campeonato Carioca de Surf, passando pelas categorias Petit (sub-10), Gromets (sub-12), Iniciante (sub-14) e Mirim (sub-16). Acho que a minha melhor fase foi a sub-14, quando consegui chegar a algumas finais.Mas, era conhecido como o cara que “poderia montar uma pousada com tantos quartos lugares”. Gosto de acreditar que eu ficava tão feliz em chegar às finais que acabava esquecendo de surfar.

Aos 11 anos ganhei a minha primeira prancha shapeada especialmente para mim. Era uma 5 pés Ricardo Martins, com uma guitarra desenhada, uma das minhas paixões da época! Com ela, ainda no mesmo ano, embarquei na minha primeira surf trip. Fui para Praia de Baía Formosa, no Rio Grande do Norte, onde peguei altas ondinhas durante um mês inteiro das férias de verão.

O tempo passou e eu me distanciei das competições de surfe. Continuava a surfar, mas a indecisão falava mais alto: pratiquei basquete, futebol, tênis, remo, ginástica olímpica, skate e até snowboard! Acabei trocando uma surf trip de um mês pro Peru por uma semana na neve do Chile, para a surpresa dos meus pais.Na escola, as notas eram boas e, apesar de não gostar muito dos livros, acabei estudando um ano inteiro, em tempo integral, para entrar para o Colégio Pedro II, um dos melhores do Rio. Me afastava cada vez mais do surf.

Quando eu tinha 14 anos, o Stand Up Paddle foi finalmente descoberto pela nossa família. Em um verão sem ondas e de água muito gelada, meu pai comprou um SUP de onze pés – só para remadas e travessias. Quer dizer, essa era a intenção. Mas, no primeiro mar de mais de meio metro, todos brigavam para tentar pegar uma onda com aquela prancha do tamanho do Titanic. Demorou cerca de trinta segundos, cronometrados, até eu me apaixonar pelo SUP.

Atualmente, corro o Circuito Mundial de Stand Up. Finalizei em 7o Lugar no ranking mundial e me consagrei Campeao Brasileiro de SUP 2014.

.